segunda-feira, 27 de maio de 2013

Desilusões...

Nas pontas dos dedos,
desenham-se sonhos,
desejos,
ilusões...
tocam-se melodias,
que fazem encantar...
No peito rasgam-se emoções, 
criam-se vontades...
pintam-se realidades,
não vividas,
não sentidas...
não esperadas.
Nas pontas dos dedos,
imaginam-se estradas,
contam-se histórias...
beijam-se bocas, por tudo
e, nada...
num universo que é só meu...
fantasias de ser feliz,
na lágrima que não corre,
no peito que se rasga,
e parte,
por não ter o que se quer,
o que se adivinha,
numa história sem fim...
Nas pontas dos dedos,
escrevo o que não vejo,
que não chega a ser...
que não passa de ilusão,
reflectida dentro de mim.


Desilusões...expectativas

Conversas de sofá...

Apostar nas relações tem disto...sejam elas as mais simples da vossa Vida, sejam elas as mais complexas e intensas.

E pior, independentemente da profundidade da relação, desiludirmo-nos, custa, dói...e faz-nos retrair, ter medo de tentar de novo, de dar, de não receber, de cair na conversa de novo...faz-nos desconfiados...

Tudo sentimentos dos quais não gostamos, mas que nos afundam num possível afastamento dos outros, ou numa solidão fingida, induzida por ausência de investimentos.

Hoje vamos pensar em exemplos, vamos reflectir sobre estas desilusões, e como nos protegermos delas, mas acima de tudo aprendermos a viver nelas, sem nos deixarmos de dar, de conviver, de acreditar...

Muitas vezes oiço as pessoas falarem das suas desilusões com o outro, aquele sobre qual nós depositamos algum tipo de expectativa, de desejo de retribuição ou de acção, e no processo, algo falha, e a entrega não acontece.

Podemos estar a falar, de um filho, de um amigo, de um pai ou mãe, de um amante, de um colega de trabalho...estamos sempre a falar daquele(a) a quem nós no processo da relação, atribuímos um determinado valor, papel na nossa Vida, e como tal, em determinadas circunstâncias (ex.: aniversário, acabar um trabalho/tarefa, telefonar, demonstrar afecto, organizar um jantar surpresa, adivinhar sentires, etc....), criamos as ditas expectativas, que nos permitem, fantasiar ou pensar no que o outro poderá, ou vai fazer.

Na realidade, pode existir um desencontro destes nossos desejos, fantasias, vontades, expectativas, e o que a realidade (os outros), na realidade são capazes de nos dar. E é nesse desencontro que residem as desilusões...a tristeza, do que na realidade nunca foi, nunca chegou a existir, mas porque foi esperado, ou sonhado, é como se existisse uma perda, às vezes quase luto. Muitas vezes, tão, ou mais intensa do que se as situações fossem reais e não fantasiadas.

Este processo é muito difícil de ser alterado, ou evitado, pois faz parte dos seres humanos, sonharem, criarem expectativas sobre o que vai acontecer, sempre num processo de tentar adivinhar o que vem a seguir...a procura da perfeição, do encontro entre desejos, a realização através do outro, a paga da Vida...o que pode ser alterado não é o processo em si, mas sim, as interpretações do que vem a seguir. Fantasiar, desejar, querer, mas, ser capaz de perante o que a Vida e os outros nos dão, aceitar, receber, e viver as coisas na sua totalidade, mas não permitindo que esta se contamine por aquilo que não foi, ou não chegou a ser...

Nota: este exemplo não tenciona ser sexista na escolha de género dos personagens, mas sim e apenas, dar uma ilustração possível  ;0)

Por exemplo, uma mulher, espera que no dia em que celebra o seu aniversário de casamento o seu marido a leve a jantar ao sítio onde a conheceu, num postal lhe escreva a letra da canção que dançaram juntos, pela primeira vez...que lhe dê uma prenda que simbolize o seu afecto, etc., etc. (as mulheres são muito profícuas a imaginarem 300,000 opções diferentes de demonstrações de afecto, que passam não apenas pela presença do outro, mas também por objectos símbolos desse afecto)...leva não o dia, mas a semana toda, o mês...a imaginar, interpreta os silêncios do companheiro como sinal de que surpresa se aproxima, que ele está a criar suspense, não lhe pede nada, ou dá sinais, pois valoriza a surpresa, e vai dando asas a sua imaginação...o dia chega e...

O companheiro, lembra-se no próprio dia que é o aniversário, que já não tem tempo de fazer grande coisa, mas como a companheira não falou no assunto, ele calcula que ela também não se lembrou, ou porque não lhe disse nada, não planeou nada...por isso, tenta improvisar, pois o que é importante é que consigam passar um pouco de tempo juntos. Pede à sogra para ficar com os miúdos, compra uma rosa por cada filho, encomenda um frango assado, prepara uma garrafa de um vinho, e pensa que vão fazer um jantar de "desenrasque" na sala, pratos de plástico para que ninguém tenha de arrumar nada a seguir, e juntos, na conversa, vão celebrar e vão acabar a noite a fazer amor...

Encontro dos companheiros...conforme se desenrola o momento, ela cada vez mais tensa, desiludida, na espera do que ele oculta e ainda não deu, ou disse...ele a não perceber a tensão não falada...quando a noite acaba, ela encontra-se muitas das vezes incapaz de interpretar todos os momentos como um desejo intenso e profundo por parte dele em estar com ela, sem ostentação através de organizações ou objectos de partilha, e acaba a interpretar a noite como uma desilusão, um desconectar, um desencontro, tudo porque as suas expectativas, sonhos, desejos, não "bateram" certo com a realidade e a levam a uma desilusão, a um desencontro de expectativas, resultado, está triste, sente-se só, não compreendida, e desinveste, podendo zangar-se até...ele fica pendurado no que não entendeu, desiludido de não se ver entendido nos seus gestos e objectivos.

_______________________

A nossa realidade, faz com que as possibilidades de felicidade fiquem dependentes da nossa interpretação do que nos rodeia, e da nossa capacidade de aceitar o que recebemos por aquilo que é, por tudo o que entrega e pelo valor que lhe pode ser atribuído,  porque este não se contrasta com o valor do que nunca foi ou aconteceu.

O percurso não se evita, mas a leitura pode ser guiada, como se estivéssemos a pontuar um texto escrito, mas que ainda não tinha sido pontuado, e a cada vírgula, que colocamos, permitimos a nós mesmos a oportunidade de orientar a leitura do texto para a melhor interpretação possível, porque isso nos permite usufruir do momento, tirar o seu melhor para o nosso interior, e recolher um saldo positivo no fim...um saldo de afectos, que nos preenchem, completam.

Claro que podem dizer que são estas leituras que também nos levam a desilusões com pessoas, a um vazio que se arrasta, pois nunca vemos as nossas expectativas cumpridas, a uma ilusão na procura de ver as pessoas como melhores do que na realidade são...sim e não, é fazê-lo com prudência, investe-se em quem queremos e de quem queremos o seu melhor. Acreditamos no outro, porque o outro nos dá, embora às vezes não o que queremos, e se queremos as nossas expectativas cumpridas, aprendemos a PEDIR...pois assim, damos ao outro a oportunidade de saber o que queremos e a poder dar-nos o que conseguir dar e mais, damos a nós mesmos a oportunidade de viver mais felizes, porque em vez de vivermos os filmes da fantasia, vivemos as realidades que o outro nos consegue dar e faz partilhar. Pensemos...

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Gostar...

Significado de Gostar

v.t. Achar saboroso: gostar de morangos.
Sentir prazer em: gostar de sair.
Ter afeição ou amizade por; amar: gostar de alguém.
Ter como bom; aprovar: gostar de uma sugestão.
Ter inclinação por: gostar de matemática.

Sinônimos de Gostar

Sinónimo de gostar: adorar, amar, apaixonar e enamorar

Definição de Gostar

Classe gramatical de gostar: Verbo transitivo
Tipo do verbo gostar: regular

Nos últimos tempos tenho tido os meus clientes a falarem sobre uma dificuldade que têm...que é a de, muitas vezes, não conseguirem sentir que gostam de si próprios, em encontrarem razões para se valorizarem, para conseguirem estarem de bem consigo mesmos...encontrarem paz...e um caminho na sua Vida que os leve não só aos sítios que definiram, a sós, ou em conjunto, mas também a um caminho pessoal...a um caminho de realização...
Estas dúvidas não são fáceis de resolver, se as dúvidas assentam em problemas do passado, em problemas que possam remontar à infância, a experiências passadas, que se encontram enterradas, e o próprio, quase que não tem consciência de as ter vivido.

Mas ser difícil, não torna o caminho impossível...
Ser penoso, ou doloroso, pode ser, ou vir a ser libertador...

Este trabalho do gostar, do descobrir as forças, de amar o nosso ser, de conseguir encontrar sentido em nós, ter espaço para crescer, viver silêncios, estar só...implica dedicação e vontade nossa, e é reforçado se tiver acompanhamento, ou uma boa companhia...alguém, ou alguns  que nos dêem a mão, nos ajudem a dar os saltos que são necessários, mas é também um processo que se consegue fazer, se existir resiliência e vontade de seguir caminho feliz...

Não quero ridicularizar o processo, por tentar nuns parágrafos, deixar algumas ideias, ou sugestões...no entanto, eu, acredito, que às vezes um pontapé de arranque pode ajudar, por isso, com este texto tenciono apenas, deixar o mote...deixar a vontade de tentar...


Ninguém consegue ser plenamente feliz, amar alguém, sonhar, se no fundo, não se amar a si próprio...precisamos de ter este sentir, para que as portas a uma existência mais completa se abram, e nos permitam, ver além, sentir além...

Por isso, o ponto de partida é aprender a gostar...de si.

Como?

Ganha coragem e carregado de honestidade, senta-se com um bloco/caderno, e uma caneta (ou lápis, não sou exigente, não pode é apagar), e vai escrever uma lista, de coisas boas que gosta em si, primeiro as coisas físicas que aprecia...e seja honesto, a lista é para si...coloque tudo o que gosta em si, as mãos, os olhos, as pernas...qualquer coisa, o que importa é que encontre os atributos físicos, dos quais se sente orgulhoso, com os quais está feliz.

Depois vai escrever a lista das coisas que o caracterizam, a nível de personalidade, ou forma de viver, e que o fazem ser especial, que o deixam feliz, contente consigo...Liste os valores, as capacidades, o saber dar ou receber, o que faz, o que sabe fazer, no fundo, quem você é.

Depois fecha o caderno, e segue caminho, segue com o seu dia...mas tenta ir pensando em si, no que os outros vêem em si, no que os outros costumam elogiar, e se concordar, abre e acrescenta...E durante uns dias, é o que vai fazendo, quando sentir que se conseguiu resumir, senta-se e vai ler, o que escolheu, o que escreveu...e deixa a lista entrar em si...e pense, como se vê, como veria alguém assim, como você...e deixe assentar em si, essas verdades, esses elogios ao próprio.

Agarre-se a essa imagem de si, e com a sensação, de que deve acreditar, e sentir que se você for mesmo assim, até é um alguém merecedor de afecto, de entrega, de vivências especiais...deixe-se ir, e viva o que sente por si, acredite...(tente pelo menos, para poder por à prova esta nova teoria de "si", esta nova visão)...

Com esta imagem, sensação, na cabeça, na sua imaginação, num cantinho do seu coração, saia para a rua, e viva-se de novo... entregue-se a este papel, em que vai acreditar, ser quem descreveu...

E observe os outros, as suas reacções a si, e anote em si, no seu bloco, no seu sentir, na sua pele...no seu coração, e permita-se tentar acreditar...

Este pode ser o seu primeiro passo...
Pode também escrever nuns post-it algumas das coisas que mais gosta e cole-os ao espelho...e leia-os de manhã, ao deitar...

Pode perguntar a alguns dos seus amigos, para o descreverem com uma palavra...e aceite o que vier...com gosto.

Faça GOSTO, a si mesmo, veja-se por quem é, no seu interior, no seu exterior, e faça de si o seu cartão de visita...

Mude a sua Vida, criando espaço, para este seu novo amor, e permita-se apaixonar-se por quem você é.

Aprenda a viver mais, as coisas simples da Vida, e acredite que ao viver-se nelas, com um novo sentir de si, acreditando que pode gostar de quem é, que pode confiar em quem é, para si e para os outros, todas as suas experiências começam a acumular certezas no seu interior, que o deixam ir acreditando que é verdade, que é alguém de quem é possível gostar, que faz apaixonar, que os outros respeitam, gostam, querem nas suas Vidas...

Entregue-se a si...
Goste, muito...


segunda-feira, 13 de maio de 2013

AMANTES


Águas de rio,
tão livres e puras,
que enlevam a natureza...
que banham a terra,
que dão de beber à sede...
Que em músicas,
naturais, rodeadas de verde...
em topos de montanhas,
e torreões de pedra,
assistem,
em silêncio...
a uma entrega tão linda e,
profunda...
que envergonham o sol,
que se deita...
para dar espaço ao amor
da lua.
Numa junção,
da natureza e do amor...
em pedra desenhados,
dois amantes se entregam...
na procura de ser,
uma promessa de ter...
esperanças e sonhos,
que apenas num amor se encontram,
lado a lado...
secando as lágrimas corridas,
de...noites não vividas,
toques contidos,
...pelas,
amarras da Vida.
Num espaço único,
no seio do nada,
vergados pelos limites...
acedem-se velas,
tocam-se as estrelas...
e em palavras entregam-se valores,
que são muito mais,
do que em si encerram.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

VIDA


Aperto no peito,
Vida ao alto...
sonhos inacabados,
caminhada dolorosa,
surpresas traçadas...
de imprevistos marcadas,
lágrimas caídas,
roladas de esperança.

Aperto no peito,
Vida de frente...
serras de subida,
descidas empurradas,
quedas não planeadas,
cicatrizes no peito,
corações rasgados,
em amores...imperfeitos.

Aperto no peito,
dores de alma,
paridos os filhos...
em rasgos de amor,
em projetos de Vida,
...corridos,
sem água bebida,
em abraços fugidos.

Aperto no peito,
da Vida vivida,
da caminhada conquistada,
marcas na areia, que o tempo apaga...
em imperfeições de momentos,
que enrugam a face,
beijam o ventre,
e num grande enlace,
contam a história,
dos olhos profundos,
do beijo doce...
em sal de caras...
de vento banhadas.

Aperto no peito,
de amores reais,
de vidas contadas,
de finais felizes,
de mãos enlaçadas...
perdidas do nada.

Aperto no peito,
do tempo passado,
da areia que me foge...
e, empurra para o nada,
do fim que chega,
e me mostra a Vida,
em fotos rasgadas,
em memórias criadas...
que assim ficam,
deixadas...

Hoje viver...é o infinito...

Viver numa imaginação sem limites,
é criar uma escada de ideias,
apagar limitações,
e, acreditar que o sonho...
é a realidade antecipada.

Viver um sonho,
é apostar na rebeldia da felicidade,
dar as mãos ao desafio...
e de pés descalços,
caminhar...
por um fio, desenhado à beira mar.

Viver uma ideia,
é realizar uma vida,
chegar a um fim, que nunca acaba de ser princípio.

Viver a realidade,
é ultrapassar limitações,
numa imaginação sem limites,
apoiada numa escada...de ideias,
que nos concretizam os sonhos.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Hoje...levarei...

Hoje,
acordei...na noite,
carregada de sonhos,
que não sou...
que ainda não fui,
e desejando ser futuro...

Hoje,
desejei,
ter forças de Adamastor, enfrentar marés...
ganhar coragem de leão...
e nos passos do caminho
encontrar tempo,
para ser quem sou,
numa luz,
que me ilumine
e, me dê tempo...
céu,
mãos e forças para escalar...

Hoje,
chorei o que não chorei,
com coragem de mudança,
para erguer o futuro,
com vontade,
e na minha caminhada,
encontrar o Norte,
que me trace e destine,
o encontro entre os sonhos...
e, a minha realidade.

Hoje enamorei-me,
uma vez e outra,
pela Vida,
pelo caminho,
pelo destino,
que fecho em minhas mãos...
e liberto devagarinho,
saboreando...
os tempos infinitos,
de que me tornei dona,
por acreditar,
que desta Vida levarei...
tudo o que desejei.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

TERNURA

Ternura...

Que sentir,
tão intenso, 
tão puro...belo...
É sentir que nunca estou só,
contigo,
com os outros...

É sentir que estou em casa,
no coração dos outros.
É sentir,
que sou parte e dou partes de mim...
Que me perco na entrega,
sem querer,
e, sem saber...

É sentir,
uma inundação de amor,
no peito,
que surge de tudo e de nada,
que me força...
a dar,
e não importa o receber.

É querer que o outro seja,
...quase que mais do que a Vida...
É desejar mais o sorriso do outro,
do que o nosso,
é tremer,
ao sentir o outro feliz,
é nos lábios dizer amo-te...
em silêncio profundo.
É no abraço,
beijar o cabelo,
É no afago, querer mãos de veludo.
É no olhar prometer um futuro risonho,
e, é no peito carregar
o afecto...
que transporta o outro para um mundo mais que perfeito.
É amar, mais, muito...
para sempre,
mais além,
para lá de onde se vê...

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Mentira

Mentira...
são as tuas promessas,
os teus olhares...
que inventam histórias de encantar,
seduzindo corações,
no desespero de se entregarem...

Falta de verdade, trazem os teus gestos,
nos encontros que prometes...
na deslealdade que carregam palavras tuas,
e na entrega, que finges fazer.

Fingimento,
é o carinho e o deleito,
com que me escutas...
e perguntas,
por aquilo que sagradamente,
guardo dentro de mim...

Mentira,
é esta Vida,
que nos promete pedaços de céu,
abraços eternos,
beijos selados...
a corações ansiando,
por um amor só seu...

Mudança...


Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento.


Érico Veríssimo

Mudança...

O que nos leva a mudar?
Porque não mudamos, quando não estamos bem, ou nos sentimos mal com o momento que vivemos da nossa Vida...?
O que nos assusta na mudança?

Nós somos seres de hábitos, de conforto, de rotinas, que nos orientam, nos estabilizam, nos ensinam a viver em equilíbrios, ainda que estes possam ser imperfeitos, ou mesmo desconfortáveis. Ainda que consigamos dizer, ou expressar que o que vemos e vivemos em nosso redor, nos deixa insatisfeitos. 

Pensem o tempo das nossas Vidas que passamos, a falar sobre como as coisas deviam ser, sobre o que um dia havemos de fazer, sobre a nossa lista de coisas por conquistar, os nossos moinhos de vento...e ainda, sobre como o "João" ou a "Maria" deviam ter feito as coisas de modo diferente... 

De como nos colocamos nos lugares dos outros e com facilidade opinamos sobre o certo e errado, sobre como nós faríamos se fossemos nós, como criticamos os políticos, e o estado da nação, como se não tivéssemos qualquer papel nessa mesma situação  Esta é a realidade humana, ser capaz de refletir,  olhar em volta, e conseguir fazer uma análise crítica da realidade. Mas depois, sermos também capazes de nos deixarmos cair num comodismo de conforto, que nos torna incapazes de agarrar, ou iniciar de forma simples e linear o auto-desafio para o processo de mudança, que sem dúvida absolutamente nenhuma tem de começar em nós.

Seja um processo pessoal, por algo que desejo muito (ex.: perder peso), seja por algo ambiental (ex.: ter cuidado com o consumo de água), seja por algo relacional (ex.: ser mais cuidadoso, ou dedicado ao outro), seja pelos motivos que forem, mesmo com as motivações mais intensas, não deixa de ser um processo difícil de concretizar, muito assustador, e muitas vezes impeditivo de um começo fácil.

Isto, porque lutamos contra o medo de perder o que temos, a linha de conforto com a qual já vivemos, para saltar para o desconhecido, e para esse salto inicial, é necessário criar energias próprias impulsionadoras, que nos levem a desejar mais o que se vai "poder" vir a ter, do que o que se tem. É uma questão de conseguir, para dar o impulso inicial, ter uma atitude de mudança, que me empurre, me propulsione nesse caminho.

É acreditar que a pausa que faça na Vida que tenho, e o arriscar da descoberta de uma Vida nova, pode valer a pena, para ter tudo o que quero e preciso, para ser mais feliz, para deixar de me "queixar" pelos cantos, relativamente ao que não muda, ao que permanece igual,  e com o qual não concordo, ou não me faz feliz.

É acreditar que temos energia, capacidade, poder, desejo, suficiente para em gestos nossos, conseguir levar a mudança ao mundo, primeiro, aos que nos rodeiam, senão a nós próprios...e nesse processo de auto de fé, arrastamos os nossos comportamentos, no dia-a-dia para, a mudança, para querer mais, e mais, e connosco, fazer com que outros nos oiçam, nos respeitem...nos sigam.

Numa rede e apoio, que depois não precisa de alimento, pois faz com que um movimento inicial se torne perpétuo...no acreditar. No fazer. No marcar da diferença, porque se iniciou, e de alguma maneira, o que se inicia tem retorno, mais cedo ou mais tarde.

É vencer o medo, a inércia e conseguir que dentro de nós acreditemos que temos de travar duas lutas intensas, uma contra nós mesmos e o nosso comodismo, a nossa vontade de estarmos quietos, e a luta que temos a travar no dia-a-dia, com os outros, com os grupos, com as sociedades, ainda que apenas com um alguém, nos leve a conseguir que estes outros, acreditem e mudem connosco.






É provocar em nós, no profundo do nosso ser a necessidade de dar luz aos sonhos que transportamos, e fazermos acreditar que é o nosso tempo  de viver coisas novas, de vivermos em desafio com o que somos e o que queremos ser.

É impossível, que se conseguirem ouvir os vossos corações, as vossas almas, os desejos, vocês consigam, seguir caminho, pela mesma estrada, em frente, por caminhos certos, numa única direção, com um destino definido, sabe-se lá por quem, sem tentarem, no vosso intimo, começarem a libertar alguns desses receios e encontrarem, forças, vontades de concretizar pequenas coisas que vos podem mudar por dentro, fazer mais felizes, fazer quem vos rodeia mais felizes, encontrar sabor nas coisas que fazem parte das vossas vidas, e ganhar o controlo dela mesma, ainda que em pequenas coisas simbólicas.

Fazer caminho com o que vão sonhando e fazendo crescer cada vez mais dentro de vós uma alegria, uma infantilidade que vos quer levar mais longe. Que é ajudada com o ganhar de coragem, que as primeiras mudanças acarretam...com as consequências vividas por estas entregas intensas, que vos ajudaram a mudar, a ficar feliz, com o que conquistaram.

Conquistem a Vossa Vida, façam dela o que querem, não deixem nada pendurado, por medo da mudança...a Vida é uma prenda única, abre-se uma vez, e vive-se uma vez, não há "repeat"...por isso, vençam medos, peçam ajuda, mas não a deixem ficar aquém dos vossos desejos.

Boa mudança!!! Mudemos todos, levemos estas vidas a bom porto, não lamuriando, os caminhos que elas levam, como se não fossemos responsáveis por isso. Coragem é a palavra de ordem.

Verdade


Verdade...
é estar,
é ser...
e entregar tudo o que temos, sem reservas...
aqui, nesta Vida...
aos amigos,
aos amores...
à família.

É dizer o que se sente,
dizer-se o que dói...
no meio de abraços,
e de sorrisos,
de amor entregue,
protegendo...
mas não escondendo.

Quem me diz...
o que sou,
és tu...são vós...
nas palavras e gestos que me dão,
não me iludam,
na minha caminhada...
só é verdade, se for minha...
nas razões que vocês me dão.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Sinto...as limitações do meu ser...

Sinto...
sinto em mim as dores do mundo,
os arrependimentos das almas...
vivo em mim,
os tempos dos outros,
no desejo de ajudar.

Sinto-me,
pouco...
insuficiente,
por não lá chegar...
por não caberem no meu colo,
todos os que sofrem.
Quero tanto,
fazer passar, 
ter o condão,
de fazer desaparecer, a mágoa...
ou, renascer esperanças.
Pego-lhes com jeito,
como se se partissem,
dou-lhes amor,
deste lado do véu...
levo-os comigo, no coração...
carrego em mim a sua solidão.

Sinto...
que quero dar mais,
e, mais...
em desejos infinitos...
quero ir além, 
quero estar lá...
quero ajudar,
para além dos limites.

Sinto...
que quero dizer que tudo passa...
na dor...
Mas que injustiça,
...que frase maldita,
tão verdade,
mas, tão cruel...
põe-nos na espera de um tempo...
que supostamente vem aliviar,
aquilo que é agora insuportável.

Sinto-vos...
e prometo,
...faço compromisso,
em mim têm ajuda,
numa entrega presente...
num dar constante,
na esperança,
de vos fazer acreditar...
a cada sol que nasce,
que nasce também um novo dia...
e uma fé renovada em vós!

terça-feira, 26 de março de 2013

Paixão

Paixão...

Nos meus braços, na minha alma, habitas o meu ser, respiro-te, desejo-te, não consigo funcionar, anseio o momento de estar, vibro por dentro se penso em ti, não como...voo, não ando...estou apaixonada.

Estou jovem, louca, irresponsável, o meu sentir oscila entre amar perdidamente, e terrivelmente doer na ausência...com o meu coração pendurado em penas...que se agitam ao vento, e me fazem sentir o carrossel da Vida, em segundos.

Esta poderia ser uma definição de paixão, cada pessoa, a definiria em seus termos e palavras, mas basicamente é um estado de alma em que nós não somos nós propriamente, em que se gosta tanto de um alguém, que perdemos a noção de espaço, tempo, e das nossas necessidades mais básicas, perdemos as barreiras, ou as definições de onde somos nós e começa o outro.

Tudo voa, gira em torno do nosso sentir e do outro. É um estado de loucura, de vício, de entrega total e absoluta, em que se apaga, pelo menos por momentos a Vida real...podendo o adulto mais "crescido", mais responsável, ser mesmo irresponsável, inconsciente...imaturo.

Como tal é importante falar deste sentir, deste viver intenso, aqui, uma vez que nas minhas inúmeras conversas de sofá, muitos casais vêm falar do fim de tal sentimento, pondo em causa continuidades, questionando validades, futuro...como eu digo, na brincadeira, deitando o bebé fora com a água do banho (ditado Americano).

Falar da sua importância para um relacionamento duradouro, para os compromissos do para sempre, é extremamente importante, pois pode por em causa a sua continuidade. Falar sobre  a sua importância num relacionamento passageiro, também é importante, pois pode ditar sentimentos futuros, em relações mais permanentes, ou duradouras.

Por isso, falemos...

Estamos a falar de sentimentos tão fortes, que deixam  marcas e desejos tão intensos, que aceleram a Vida, o sentir... que fazem com que nada, mas mesmo nada, a seguir a sentir algo assim, saiba ao mesmo, tudo de certa forma perde um certo brilho, um sabor...pode tornar-se mais monótono, menos desafiante...usemos a metáfora de comparar a paixão, ao mar de inverno, revolto, com ondas inconstantes, altas, poderosas, brutas, repentinas, incontroláveis...e de repente, o amor, ou o carinho, o que fica, depois da tormenta, seria o mar calmo, tranquilo, sem ondas, sem agitação, mas profundo...

Como saber viver depois, nesta transição, nesta ausência de uma excitação suprema...como aguentar e apreciar a calma? Como renovar o sentir e aprender a viver estes ciclos na relação? Como fazer renascer a paixão, com o mesmo companheiro, uma vez, outra vez, e outra, para que faça sentido estar, ficar, amar e continuar a dar...não desistir.

Como viver o dia-a-dia, a rotina, a exaustão, tendo perdido o paladar, a intensidade, a adrenalina, que nos fazia mover montanhas, andar desertos, por cinco minutos de beijos, que não acabavam, sexo louco e selvagem.

Com muito trabalho, e com a estrutura ou as fundações no que remanesce, quando a paixão desvanece, o amor mais companheiro, um amor de mais partilha, união, caminho seguro, calmo...e dessas fundações, criar investimentos, não hesitar em perceber que o amor varia, tem tonalidades e intensidades, e que essa variância acarreta não a sua destruição, mas sim, a sua manutenção.

Se um beijo é dado de raspão, na urgência de tempos que não se têm, na fuga do outro...no não encontro comigo mesma, então um beijo não é beijo, é um ritual, uma palavra em forma de gesto, um olá banal. 

Um beijo, para ser beijo, para não deixar a chama apagar, tem de ter entrega, sabor, sensualidade, vontade de não perder, arriscar, desafio, cheiro e sabor...e tudo isto pode ser feito, dado, em segundos...os mesmos de um beijo casto, símbolo de uma palavra...isso nutre união, companheirismo, respeito, mas não alimenta o animal da paixão, a componente bravia do sentir, aquela, que mantém viva as áreas do corpo, do sexo, do fazer amor...que une também, e que renova ciclos.

Se se vive uma paixão, e se segue caminho, sem a relação evoluir, as nossas memórias físicas, sensuais, mentais, ficam invadidas de níveis de ardor, sentir, fogo...que não correspondem ao amor prolongado, após o auge do conhecimento, do enamoramento...por isso, atenção, após um relacionamento intenso, mas de curta duração, entendam, que se tiverem um também ele de começo intenso, mas com quebras, altos e baixos, não é a mesma coisa, não é sinal de que não é o tal, não é sinal do fim, é apenas uma diferente evolução do sentir, uma aprendizagem que tem de ser feita...para fazer durar, para perceber o que é preciso usar, para manter vivo o sentimento.

E cada um, tem diferentes formas de se acordar...uns redescobrem pelo beijo, pelo sexo, pelo  mimo, pela sensualidade do olhar, por mensagens eróticas e provocadoras durante o dia. Por toques descarados, ou destemidos. Por toques disfarçados, por surpresas sensuais, por massagens...

O que quero passar, destas conversas de sofá, é que a paixão reacende-se, e que é mais fácil, se as brasas ainda estiverem quentes, mas não é condição necessária. A paixão reencontra-se, é querer...é sentir que não pode um dia deixar de fazer falta, não pode um dia desaparecer, pois com isso não morre só uma parte do relacionamento, morre também uma parte de nós, que deve vibrar, respirar, pois contagia as outras áreas todas da nossa vida.

Libertem-se, a paixão é parte, é todo, é início e é reinício...a paixão é viver, a dois, a um e uma Vida!

segunda-feira, 25 de março de 2013

Caças e desnudas...


Nas tuas palavras,
puxas, atiras e esperas...
predador à espreita,
encantas e cantas...poesia...
distrais defesas,
enamoras ideias,
defendes valores,
agarras-me pelo coração...

fazes deste enredo,
arte...
seduzes-me,
pela tua paixão...
 
Palavras tuas ditas,
e, levadas pelo vento...
beijam-me as faces,
e contam-me...
sobre fantasias...
e mundos de ilusão.
Que tu partilhas e provocas,
com destinos e caminhos...
sem censura,
em que actuas...livre de pudores.
E nesta loucura,
deixas-me curiosa,
espreito...e aguardo,
faço-me de presa,
mas também caço!

Mar revolto...

No escuro, 
na noite, impões a tua força majestosa...
varres com as tuas ondas,
o que está no teu caminho.

Esmurras...
lutas, contra correntes humanas...
destruindo o que te impede,
e, o vento acompanha-te...
liberta-te, aumenta a tua força.
As luzes reflectem-se em ti...
e no horizonte, testemunha-se a tua bestialidade,
as tuas tormentas...

À distância veneramos-te...
Levas-nos nos sonhos, e em pesadelos...
deixamo-nos navegar por ai...
abrindo as asas,
no desejo de voar sobre ti...
e sentir uma parcela,
do que és...

Na tua presença,
...de perto,
o repeito impede-nos,
o medo afronta-nos...
Oh! Força da natureza,
alma livre,
que carregas em ti aquilo que é belo...
e as lágrimas de quem chora,
os que lhes tiraste.

Esperança...uma forma de amar o outro, a Vida e o futuro

Esperança....sentimento difícil de manter perante as adversidades, perante os desafios da Vida que nos fazem sentir injustiçados, defraudados...

Sentimento de energia inexistente, quando somos levados à exaustão do sentir, quando nos parece, que, independentemente, do lado para que me vire...portas se fecham, umas lentamente, outras com estrondo. Quando olhamos à volta e nos parece ver pessoas a caminharem vazias, indiferentes, descrentes, e que no seu sentir e na sua forma de viver, se nos permitirmos, se tornam contagiantes.

Sentimento posto à prova quando a nossa visão se choca com imagens de miséria, de pobreza, de solidão, de maldade, de crueldade, em fim, tudo, sentimentos passíveis de serem tido pelos nossos semelhantes.

Sentimento provocado por impotências das nossas próprias limitações, das nossas finitudes...do nosso desejo de ir mais longe, de dar mais, e sentirmos que não chegamos...e na nossa mente ficam gravados os olhares, os pedidos mudos, de quem está, e para nós olha...e é nestes desafios, que surgem forças para alimentar este sentimento, que nos propele a alimentar esta vontade, este desejo que é mais do que um sentimento, é um alimento a nós, ao nosso ser, à nossa alma...se assim o quiserem ver.

É querer que o céu seja nosso, perder o desejo de complicar, e investir, em acreditar, em achar que tudo se pode, e que nada se torna impossível se sós, acompanhados, ou sós,  juntarmos essa energia, esse sentir, para ao fazer diferente, alimentar aquilo que desaparece...se não acredito.

A esperança existe, mas facilmente se enterra numa areia movediça, onde nos enterramos nós próprios, por nos deixarmos ir, no ritmo da Vida, no egoísmo próprio da nossa sociedade, nas pressas de viver o tempo, que não chega...mas do qual parece fugirmos, num movimento inverso ao que proclamamos.

Fazer algo, é sacrificar, é gerir, os tempos de forma menos mecânica, é querer acreditar que temos o poder de dirigir o rumo do nosso destino, ainda que partes do caminho já estejam traçadas. É acreditar que a Vida pode ser bonita, que as pessoas não são todas egoístas e potencialmente más, e deixar as âncoras que nos prendem, na tristeza, na mágoa, no arrependimento, na falta de fé...é cortar essas amarras e dar rumo ao barco, seguir caminho, ao longo do rio, tirando vantagens dos ventos, da água, das marés, das nossas forças. 

E isto não é poesia, não é optimismo em excesso, é factual, é algo que se pusermos à prova, conseguimos resultados, primeiro alguns, depois mais, e com o tempo, temos um grupo que nos rodeia, semelhante a nós, aos nossos princípios e crenças, vontades e desejos, e assim a mudança é maior, a conquista é mais fácil, e ganha um momentum próprio, vivo em si, que se renova e nos renova, nos dá coragem de continuar e acreditar que mesmo os maiores inimigos, presa e predador, podem ter um papel importante na conquista de algo mais universal, mais intenso, mais verdadeiro...não tenhamos medo...vamos investir, e acreditar que a nossa capacidade de amar, cria esperança; a nossa forma de agir, cria esperança; a nossa forma de nos darmos e de nos entregarmos, ganha esperança.

E daquilo que parecia impossível, surgem soluções, pequenas, minúsculas até, mas são começos. E se nem sempre obtivermos resultados positivos, tentamos e saímos da luta, com a vitória pessoal de não ter desistido, de ter tentado ir mais longe. E de repente algo pequeno, cresce, invade e ilumina, alimenta e faz crescer flores no deserto.

É a vontade de continuar a creditar em algo, a acreditar em nós, nos nossos amores, num futuro para os nossos filhos e para nós, que nos mantém vivos e com capacidade de alimentar sonhos, criar novos projectos, de nos entregarmos aos outros, de vivermos a vida com momentos de felicidade, e de não desistirmos.

Acreditar que a cada dia que nasce, a cada sol que vemos, temos novas oportunidades de renovar acções, de dar, de receber, de ter esperança e acreditar em nós!

A esperança cultiva-se, e faz com que tenhamos uma alegria interior e uma grande vontade de viver, ou não a cuidando, não a alimentando...ela vai, desaparece, e deixa-nos vazios, tristes, descrentes e sem forças, até para a caminhada natural...

Não desistam, acreditem, invistam, que ela mesmo parecendo desaparecida, bem tratada, volta.

Que tenham um bom dia, carregado de esperança e muita vontade de viver feliz!

sábado, 23 de março de 2013

Caminhos entrelaçados

Embrulhados na mente,
num cobertor de palavras...
ao vento dos sentimentos, 
brincamos, como crianças...
aos crescidos que não somos,
cedendo às loucuras em nós...
colocando fantasias, 
a rolar na realidade...

Tocando, correndo e de fugida...
roubando abraços, que não damos...
Provocamos, pelo gozo...
e pelo desafio.
Damos, entregamos...
esperamos, e recebemos.
Mas, saímos e seguimos...
caminhos distintos,
que se cruzam,
e entrelaçam.

Embrulhados em nós,
na poesia da amizade,
com palavras de beijos,
e abraços em verso,
fantasiamos, nunca estarmos sós...
vivendo em nós,
todo o tempo que me dás...
todo o tempo, infinito.